Trilha em busca da aurora boreal

Trilha em busca da aurora boreal

Um passeio incrível que fizemos no verão passado foi o backpacking numa trilha chamada Table Mountain. Vou contar tudinho aqui para vocês!

Para quem não sabe, backpacking é um conceito muito parecido com “fazer um mochilão”. Acho que no português usamos este termo principalmente quando nos referimos à viagens mais “aventureiras” – com mochila nas costas e sem (muito) rumo. Aqui o termo também refere-se ás trilhas que duram mais de um dia e nas quais os hikers dormem na floresta. É “só” colocar tudo que precisamos na mochila (um dia vou contar mais detalhes), escolher uma trilha adequada e caminhar. Quem já leu o livro “Livre” ou assistiu o filme, sabe bem do que estou falando. Um backpacking pode durar um final de semana ou um mês (ou dois, ou três), depende de onde a pessoa quer chegar.

A nossa mini aventura aconteceu numa sexta-feira, dia 26 de junho de 2015, um dos dias mais longos do ano. Estava quente, o céu estava limpo e ouvimos falar que as chances de vermos a aurora boreal naquela semana estavam altíssimas.

Decidimos que íamos passar a noite em algum lugar distante da cidade (perto das cidades não é possível ver o colorido no céu, devido às luzes) e começamos a pesquisar as melhores opções. Foi aí que vimos umas fotos incríveis da noite anterior. As fotos foram feitas na Table Mountain, não tivemos dúvida – decidimos passar a noite lá.

Saímos do trabalho cedo, arrumamos as mochilas, fomos comprar uma barraca (nós não tínhamos uma que fosse pequena e leve) e pegamos a estrada. O inicio da trilha, conhecido aqui como trailhead, fica bem distante da nossa casa, aproximadamente 3 horas e meia dirigindo. Chegamos lá em torno de 19:30 e fizemos a trilha em 50 minutos. O bom é que o hiking era curto e o pôr do sol era tarde (segundo esse site o pôr do sol foi às 21:17 naquele dia). Ou seja, tínhamos bastante tempo para chegar, montar a barraca, deixar a câmera pronta e esperar a aurora. As paisagens são um espetáculo. Esta trilha fica na região do Mount Baker – North Cascades. O Mt. Baker é um dos 5 vulcões aqui no estado de Washington.

Início da trilha
Início da trilha
Gordo na trilha com o Mount Baker ao fundo.
Gordo na trilha com o Mount Baker ao fundo.
Mount Baker
Mount Baker
Nossa barraca e o Mount Baker ao fundo. Foi incrível passar a noite com esta vista.
Nossa barraca e o Mount Baker ao fundo. Foi incrível passar a noite com esta vista.
A vista para este lado também não estava ruim :P
A vista para este lado também não estava ruim :P

Confesso que foi um pouco assustador passar a noite em um lugar remoto, sem ninguém por perto. Ficamos a noite olhando para o céu, mas a aurora não apareceu. Mesmo assim, a experiência foi inesquecível. As montanhas gigantes, o silêncio, o céu cheio de estrelas! No dia seguinte levantamos acampamento um pouco depois do amanhecer, que também foi lindo.

O anoitecer foi lindo! Este é o lado norte, onde veríamos a aurora, se ela tivesse aparecido.
Anoitecer – este é o lado norte, onde veríamos a aurora, se ela tivesse aparecido.
Mount Baker no amanhecer
Mount Baker no amanhecer
Estávamos cercados de montanhas. Este é o Mount Shuksan no amanhecer
Estávamos cercados de montanhas. Este é o Mount Shuksan no amanhecer
Trilha de volta. Olehm que lindo o céu refletindo na água
Trilha de volta. Olhem que lindo o céu refletindo na água
Trilha de volta - Mount Shuksan ao fundo
Trilha de volta – Mount Shuksan ao fundo

Curiosidades sobre o Mount Baker:
– Fica bem ao norte do estado de Washington, a 50km da cidade de Bellingham e 140km de Seattle. Pode ser visto de vários pontos aqui no estado (quando o céu está aberto) e até mesmo da Colúmbia Britânica, no Canadá.
– Depois do Mount Rainier, o monte Baker é o vulcão com maior presença de geleiras da Cascade Range.
– É também um dos locais onde mais neva no mundo. Em 1999 bateu um novo recorde de queda de neve numa única estação.
– Tem 3286 metros de altitude e é o terceiro ponto mais alto do estado de Washington.
– Atualmente, tipo nos últimos 14 mil anos (ahahaha), é um vulcão de pouca atividade. Durante esse período ele não teve erupções extremamente explosivas, como aconteceu com o Mount Saint Helens.
– Existem milhares de trilhas na região e a maioria fica livre de neve apenas em julho, agosto e setembro (dependendo de como foi o inverno).
– Não é permitido acampar onde nós acampamos (que feio!)
– A North Cascades, região onde fica o Mount Baker, tem 75 espécies de mamíferos. Entre eles estão o urso pardo, lobo cinzento e o lince do Canadá.

Na verdade, esta não foi a primeira vez que fomos em busca da aurora. A primeira foi no Alasca, mas esse é assunto para outro post. E nós ainda não desistimos. Aguardem as cenas dos próximos capítulos.

11 thoughts on “Trilha em busca da aurora boreal

  1. Que legal que você retomou o blog! To adorando as postagens!
    Já vou fazer a abusada e pedir pra vc falar sobre essa experiencia do Alaska! To indo pra lá no final de agosto, pra passar 20 dias e conseguir ver a aurora seria a cereja do bolo!!
    :)

    Adoro acompanhar os seus hikings pelo snap…

    Beijos!

    1. Que bom, Marcela! Fico muito feliz que você curtiu o blog e acompanha os snaps! Combinado, vou fazer post sobre o Alaska logo logo. Eu já tenho outros quase prontos que vou postar antes, tô avisando para tu não achar que esqueci de ti… heheh. Vou me programar para postar o Alaska na quinta, dia 05 de maio. Super beijo e obrigada por me acompanhar :D.

    1. Marcela, eu fui duas vezes para o Alaska. Na primeira fiz um cruzeiro que saiu de Seattle (7 dias). Na segunda eu fiquei pouco tempo, soh 3 dias.Eu queria taaanto ter visto ursos :(

  2. Eu vi vários ursos ano passado, nas Montanhas Rochosas, no Canadá… Foi a experiência mais incrível da vida! Não só pelos ursos, mas pelos lugares… Aff!
    Mal posso esperar pelo que vamos encontrar esse ano!!

    :)

    Beijão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.